PONDERANDO

HOLAMBRA

Vozes que soam sensatas

A pandemia causada pelo covid-19 tem levado significativa parcela da população mundial a adotar medidas de precaução visando sua proteção e daqueles em seu entorno. O que não expressa a realidade em muitos confins do Brasil, já que o drama vivido por outros países não parece exercer qualquer influência sobre o governo federal e pessoas de diversas raízes. Continue reading

“ALL LIVES MATTER” (Todas as vidas importam)

O deplorável episódio envolvendo a morte de um homem negro – George Floyd – por um policial branco, em Minneapolis (EUA), em 25 de maio último, trouxe revolta e inconformismo mundo afora pela brutalidade e violência usadas naquela que deveria ter sido apenas uma abordagem rotineira.

Entre as mais variadas formas de contestação no país assistiu-se ao ataque e destruição de estátuas de figuras históricas em uma demonstração de raiva incontida pela população, não apenas negra, mas, também, a branca. Continue reading

Quem sobreviver, verá

Não sei se estamos à beira do abismo ou no sopé de uma montanha para assistir ao seu parto, lembrando a fábula de Esopo:

“Uma montanha, vez certa, começou a fazer um barulhão. As pessoas acharam que era porque ela ia ter um filho. Um belo dia o barulho ficou fortíssimo, a montanha tremeu toda e depois rachou num rugido de arrepiar os cabelos. De repente, do meio do pó e do barulho, apareceu…um rato”. Moral: Nem sempre grandes promessas dão resultados impressionantes.       Continue reading

Prenúncio de novas calamidades?

A sociedade assiste com olhar preocupante a presença de militares em cargos técnicos, como no Ministério da Saúde. O ministro interino, general de divisão, da ativa, considerado gestor competente por sua história – não possui qualquer vivência na área médica. É o terceiro, em curto espaço de tempo, a suceder dois conceituados médicos de currículos e históricos elogiáveis com reconhecimento internacional. Por fim, são 25 os fardados ocupando cargos antes de técnicos da área. Imagina-se um epidemiologista à frente do Ministério da Defesa? Continue reading

Que a memória não seja curta 

O ser humano dá mostras de ser mais ser que humano. Qualificar e generalizar é um pecado mortal, mas como segregar entre os bípedes falantes e dotados – muitos, mas não todos – de massa cinzenta digna do nome aqueles que realmente agem e se comportam como tal?

O mundo todo vem atravessando um período de catastrófica pandemia imposta pelo covid-19 onde não poucos perdem suas vidas, enlutando famílias, e outros tantos, insensíveis, exploram seus semelhantes como seres superiores inatingíveis que imaginam ser. Continue reading

Que Deus nos ajude!

Ladeado por dois oficiais generais do Exército Brasileiro e acompanhado por uma penca de ministros, em reunião dita ministerial no dia 22 de abril, o presidente da República Federativa do Brasil fazendo uso de palavras de baixo calão – com frases chulas e pronúncia cristalina – demonstra não apenas aos brasileiros, mas ao mundo todo, o nível da mais alta instância do país. Um escárnio em relação a sociedade brasileira! Continue reading

Narcisismo presidencial

Na psicologia, narcisismo é o nome dado a um conceito desenvolvido por Sigmund Freud (criador da psicanálise) que determina o amor exacerbado de um indivíduo por si próprio e, sobretudo, por sua imagem.

O nome do transtorno de personalidade está associado ao mito de Narciso, ou seja, nos estudos da psicologia a pessoa narcisista preocupa-se excessivamente com si próprio e com sua imagem. Continue reading

Um admirável dia novo, aqui e agora

Havia me proposto a não escrever sobre o caos instalado no país por conflitos de toda ordem. Desde manifestações habituais de quem deveria liderar diante das crises sanitárias às econômicas derivadas da primeira até a insurgência de militantes contra atos promulgados pela Organização Mundial da Saúde e orientação de epidemiologistas e infectologistas visando reduzir o elevado índice de mortalidade pela pandemia mundo afora. No momento em que digito, só no Brasil são mais de 12 mil óbitos e 170 mil casos confirmados. Continue reading

Não estou a falar de política

Sobre os números de mortes causados por coronavírus no país? “Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre”.

E em passado recente: ‘Não sou coveiro, tá?”

Afinal, são apenas milhares de brasileiros mortos, de todas as classes sociais, penalizando mais as famílias menos privilegiadas.  

Manifestações como as acima – entre muitas mais que poderiam compor este texto – dispensam identificar o autor dessa insensibilidade. Afinal, considera-se cristão, identifica-se com fieis e igrejas, e invoca o nome do Senhor com frequência. Infelizmente, não possuo conhecimento médico para fazer um diagnóstico do caso.  

Mas quem está realmente preocupado com a insensibilidade do ser humano?

Seriam aqueles que saem a campo em estreita aprovação de suas atitudes e verbalizações que fariam corar um monge? Ou os que, angelicamente, grosseiramente cantariam em coro: “E daí?”

Desde o início do surto tropas de um exército compostas por abnegados, homens e mulheres, – profissionais da saúde – médicos, equipes de enfermagem, atendentes, maqueiros, fisioterapeutas, nutricionistas hospitalares, expõem suas vidas e as de seus familiares para salvar vidas alheias, seres humanos como eles, na tentativa de operar milagres como os inúmeros que tem ocorrido.

Não nos esqueçamos que da tropa dos abnegados fazem parte incansáveis coveiros, motoristas de ambulâncias, faxineiras de hospitais.

Muitos enfrentando o stress pela sobrecarga de trabalho, ansiedade e medo pela exposição acima do normal à covid-19. Esforços além de seus limites!

Um exército que partiu para a guerra armado de conhecimentos técnicos uns e profissionalismo outros, dignos de, no mínimo aplausos diários – como ocorre em boa parte do mundo. Mais que isso, merecedores do mais profundo respeito pelo desprendimento como enfrentam o inimigo sorrateiro diuturnamente.

Como ser humano, brasileiro, de família poupada da pandemia, vejo-me – indefeso – obrigado a assistir diariamente – com indignação – o vociferar daquele que brada aos quatro ventos “quem manda sou eu” , que age como se em um trono estivesse e olha para a população como se seus lacaios fossem, que não hesita – com menosprezo – “tacar” um “E daí?” em situações de profunda consternação.

Não estou a falar de política!

Estou a falar de humanismo, em um desabafo, talvez, que me poupe de vir a desacreditar nos meus semelhantes.

O Exército de Abnegados há de deixar o exemplo para que enfrentemos o inimigo explicito com galhardia!

Que assim seja!

Sem choro nem vela, vamos todos pagar a conta 

O síndico do condomínio vertical com 22 moradores, que mora na cobertura – com piscina sem aquecimento – vem sendo admoestado por incomodar a vizinhança externa e por exercer pressão descomunal sobre os condôminos. Residente no universo que concentra o centro dos poderes da república, tem predileção por – entre muitas – se expor junto à população em momento de pandemia braba, aquela merecedora de soluções de todos os tipos e quadrantes, mas que aterroriza o mundo. Continue reading

« Older posts

© 2020 PONDERANDO

Theme by Anders NorenUp ↑