Os primeiros anos de nossas vidas nos mostram o que e quem somos. Dando o benefício da dúvida, são pouquíssimos os que, ainda cedo, tomam consciência da própria capacidade inata para a realização de tudo que ainda não emergiu. Na maioria das vezes o aflorar de nossas habilidades surge mais tarde quando, não raro, muitos enfrentam os novos caminhos com coragem e autoconfiança.

As atividades empresariais, o mundo dos negócios por exemplo, congregam dois protagonistas distintos que muito raramente se confundem em um só: os empreendedores e os que não tendo essa vocação seguem, até com brilhantismo, carreiras profissionais que podem levá-los à realização plena.

Características pessoais – com DNA peculiar dos que ousam se aventurar, acreditando em seus instintos de criar o novo ou reformular o antigo – levam pessoas de ambos os sexos a enxergar em sua volta o que os demais mortais não conseguem perceber. São os empreendedores, que surgem aqui e ali incorporando inovações em nossas vidas, mas que curiosamente podem não ter a necessidade de receber uma educação acadêmica formal para serem bem sucedidos.

Existem casos clássicos de empreendedores que sem qualquer qualificação universitária formal transformaram, alguns, o dia-a-dia de milhões de pessoas em todo o planeta: Bill Gates (Microsoft), Steve Jobs (Apple), Mark Zuckerberg (facebook), Eike Batista (EBX), considerado o homem mais rico do Brasil, Silvio Santos (SBT), ícone do mundo da televisão, são alguns dos nomes famosos e conhecidos incluídos nesse grupo.

Ressalve-se que não existe, aqui, nenhuma apologia contra o ensino formal, acadêmico, superior. Apenas tentar demonstrar que no mundo real, é incomum a universidade diplomar um empreendedor. A cabeça dos que procuram a universidade está voltada, essencialmente, para a busca do conhecimento que lhes permita exercer uma profissão, digamos, formal. Se bem formados e talentosos, colocam seus serviços e conhecimento à disposição daqueles que criaram e criam os novos caminhos mundo afora. E muitos, com o mais absoluto sucesso.

Para complementar, dificilmente o empreendedor seria bem sucedido se colocado à frente da administração do negócio. Esta é uma empreitada reservada a especialistas do ramo. Conheço alguns casos que redundaram em insucesso por terem sido vitimas da inversão dos polos onde o resultado não poderia ser outro que um indesejável curto circuito.

O mundo reserva espaço para todos desde que cada macaco esteja no galho certo. Nada de quebrar galho!