Lottery Number BallsO novo ano recebe a todos com portas abertas e sem distinção. Sem preconceitos, sem ideologia, respeitando a cor da pele, ignorando nossas diferenças. Já na “virada”, não foram poucos os que se comprometeram consigo mesmos a rever posturas, comportamentos, formas de enxergar a vida. Não seria surpresa se houvesse – para muitos – um “replay” dos votos proferidos na virada do ano anterior. Afinal, voltar ao mundo real depois de tantos dias entregue a preocupações outras – certamente mais agradáveis que as deixadas para trás – o cidadão comum enfrenta a síndrome do “déjà-vu”. Como não é possível mudar a realidade, que não é virtual, há que se respirar fundo e seguir em frente.
 
 Aliás, sempre existiu gente entrando pela porta do novo ano com o sorriso escancarado, certamente atordoada, que foi dormir pobre e acordou multimilionária. A mãozinha dada por meia dúzia de números de uma tal de mega-sena tem feito a alegria de famílias para o resto da vida. Todo ano é a mesma coisa: milhões apostando na sua sorte para ganhar milhões.
 
 Penso que o sistema adotado por essa loteria é profundamente injusto! Tudo demais é muito. lembra-nos o ditado. O ser humano, vulnerável a cantos de sereia, deslumbrado, não está, a meu ver, preparado para passar a conviver com tamanha benesse da noite para dia, com milhões de reais em sua conta bancária rendendo por dia o que a maioria dos mortais está longe de ganhar em um ano trabalhando.
 
 Em um momento tão festivo quanto o da virada, permitir-se que um número maior de pessoas possa partilhar de um quinhão tão generoso como os R$ 263 milhões do prêmio este ano – ganho por apenas quatro pessoas – seria um ato de “divisão dos pães”. Fossem 4000 os vencedores, – sorteados mediante aproximação sucessiva dos números premiados – cada um deles receberia pouco mais de R$ 60 mil. Quantia nada desprezível para uma população com nosso perfil, mas que certamente faria o sol nascer mais luminoso para muito mais gente. Para quem já tem muito não iria fazer diferença. Mas para quem não tem, talvez pudesse significar a redenção, quem sabe?
 
 Com a palavra a Caixa Econômica Federal.