Manhã de segunda feira cedo, tempo encoberto, temperatura agradável, solzinho outonal. Momento de enfrentar o batente, aliás, enfrentar não, debruçar-me sobre as notícias depois de (mais um) feriado prolongado. Feriadão que no domingo deixou as estradas com cara de avenidas no horário do “rush” paulistano.

 A julgar-se pelo número de automóveis circulando, com o preço do combustível nas alturas, parece que o tal do ajuste fiscal do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, vai ter que ser apertado em mais uns dois furos. Competente, ao que parece, Levy tem realizado uma verdadeira via-crúcis junto ao empresariado nacional de peso, tentando vender o peixe comprado pelo governo a quem presta serviços, apesar de ser este… vegetariano. A conferir se a digestão precisará de antiácidos ou se dará conforme o “script” desenhado.

 Voltando à vaca fria (expressão que apenas os de cabelos brancos conhecem) – e vaca que em nada se relaciona com aquela louca para ir para o brejo, se bem me entende – acesso a página de notícias pela internet com a disposição de quebrar a rotina de aqui comparecer, semanalmente, ponderando sobre notícias sérias, precursoras de impacto em nossas vidas; ou seja, garimpar informações sobre tudo de bom que aconteceu nos últimos dias mundo afora e, particularmente, por aqui.

 Fui mal sucedido na empreitada; até porque, como afirmam os gênios das mídias, notícia boa “não vende”. Assim, néris de pitibiriba (coisa nenhuma), como diria meu avô que era do século 19, época em que as notícias chegavam pelo telégrafo ou a cavalo com estafetas (mais uma…), se almoçava em casa com a família, sentava-se na varanda jogando conversa fora – o SMS em tempo real da época -, usavam-se as mãos para segurar e ler um livro, cumprimentar pessoas, aplaudir um bom espetáculo.

 Já em nossos dias, conheço muita gente que, cansada, alega ter deixado de ler, ouvir ou assistir as notícias pela TV que priorizam tragédias, violência, hecatombes, desastres, corrupção para todo lado, miséria humana. Notícias acompanhadas – com riqueza de detalhes e ao melhor estilo “global” de cultura e formação – da exposição ao vivo e a cores do BBB 24 horas por dia: Baixaria, Barraco, Bestialógico!!! Enquanto isso, em Brasília… outro BBB com: Bipolares, Bizarrices, Bordoadas!

 Assim, nesta sopa insossa de letras e palavras, sopa de letrassem nenhuma contribuição maior, deixo-lhe meu fraternal abraço e votos de um fim de semana SSS – Supimpa, Sarado, Sintonizado. Sem mais!