os-caminhos-da-politica-brasileiraOs dois últimos governos levaram o país a um estado de calamidade longe de terminar a curto prazo. O maior desafio a ser enfrentado agora é reconhecer que o mundo mudou drasticamente e que nós devemos com ele mudar.

Não vivemos em uma redoma, não estamos imunes aos acontecimentos externos e, por isso, a globalização da informação afeta a todos sem exceção – econômica, social e politicamente.

Não caminhamos para o caos. Compactuamos com o caos!

Aguarda-se, com expectativa claudicante, a recuperação da economia para que estados como o RJ, RS e MG possam sair do atoleiro que seus governantes os meteram. Servidores e serviços públicos à mingua, como jamais relatado na história do país, revelam a face sombria e cruel do desemprego inédito. O descrédito do país perante investidores não poderia ser pior.

Novos caminhos para a política brasileira têm que, forçosamente, passar pelo crivo da população a ser politizada no pouco tempo que nos resta. Manifestações de rua apenas quando razões maiores as justificam é muito pouco. As redes sociais e a internet podem e devem ser utilizadas com intensidade visando dar consciência dos deveres e direitos do cidadão menos esclarecido.

Não somos um país de iguais como reza a Constituição Federal. E a desigualdade não é apenas social. É, principalmente, entre nós e aqueles que possuem foro privilegiado incongruente.

A guilhotina da ética, da moral, dos princípios, do orgulho nacional está emperrada. A revolução pelo voto, em 2018, poderá azeitá-la!

Última chamada!

(Este texto está protegido pela Lei nº 9.610/98)