PONDERANDO

HOLAMBRA

Categoria: Política (page 1 of 11)

Mordendo a língua

Já havia me proposto a desligar – por uns tempos – assuntos políticos de minha tomada 440v nos artigos que aqui ouso colocar. Mas é só abrir o noticiário da hora e eis que me defronto com uma avalanche de informações que incomodam, tanto como pessoa como cidadão. Afinal, estamos vivendo e reagindo a todo tipo de estímulo visual, sonoro, psicológico, não raro sem que o percebamos. E mais: estabelecemos um “link” entre eles passando a ser peças de uma manipulação que os amantes da tecnologia na prateleira podem explicar muito bem. Continue reading

Aguardemos o gran finale da ópera bufa

Parece não haver mais dúvidas que prossegue a candidatura do deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do Presidente da República, para ocupar a Embaixada do Brasil nos Estados Unidos da América. Segundo seu pai, “da minha parte está definida [a indicação)”. Disse mais, em evento no plenário da Câmara (15/07/19).: “Se está sendo tão criticado pela mídia é sinal de que é a pessoa adequada”. Não entendi a alusão, mas de qualquer forma, são críticas oriundas não apenas da imprensa. Inclusive minha, destacaria eu.

Por fim, conclui o Presidente Jair Bolsonaro: “Tem um caminho todo grande pela frente. Tem um termo técnico para os Estados Unidos verem se tem alguma coisa contra [a nomeação]. Tem que conversar com o Parlamento” (sic). Sem comentário.

Aliás, o anúncio da indicação para ocupar a embaixada em Washington foi, curiosamente, feito tão logo o filho completou 35 anos, idade mínima estabelecida por lei para chefiar qualquer missão diplomática no exterior. Reto e direto!

Em função desse quadro e segundo o jornal Folha de S. Paulo, interlocutores do governo já começaram a se movimentar nos bastidores para tentar aprovar – em votação secreta – o nome de Eduardo Bolsonaro no Senado. Pois é! “Brasil acima de tudo…”

Imagina-se que o “efeito Trump” tenha algo a ver com a indicação, haja vista determinadas coincidências de atitudes e pensamento entre os dois presidentes. Todas sobejamente conhecidas. Saliente-se que mundo afora, exceto em ditaduras, dificilmente indicar-se-ia alguém para ocupar cargo topo da diplomacia – principalmente em embaixada na maior potência mundial – apenas com credenciais relevantes como na culinária (fritar hamburger no país), fazer treinamento cardiovascular de resistência ao frio montanhas do Colorado e enfrentar o gélido clima no estado do Maine na fronteira do Canadá.

E a propósito: aceitaria o Brasil, como embaixador para representar seu país aqui, alguém que apenas aprecia uma caipirinha, já brincou no carnaval e tenha visitado as belas praias do nordeste?

Mas como já expresso anteriormente, a forma como o maestro conduz sua sinfônica, sempre dispensando o “spala” (responsável por afinar a orquestra, antes da entrada do maestro) permanece intacta e inalterada.

Assim, aguardemos o gran finale da ópera bufa!

Curtiu? Compartilhe

e-mail: radeathayde@ponderando.com.br

 

O Brasil e a Questão Ambiental

Aprendi – em um documentário sobre o clima – seus desvarios e soluções pragmáticas para deter a mudança climática, que todo e qualquer vegetal, principalmente árvores e florestas, por óbvio, absorvem o CO2 (dióxido de carbono) da atmosfera, liberam o oxigênio e retém o carbono. Resultado: redução dos níveis de carbono na camada de gases que envolve o planeta, tornando-o mais saudável para a humanidade.

O dióxido de carbono, também conhecido como gás carbônico, é associado ao chamado efeito estufa e considerado prejudicial ao meio ambiente, como visto acima. Informações geradas pela Wikipédia demonstram que, entre 1991 e 2000, a área total desmatada para a pecuária e abertura de estradas da maior floresta tropical do mundo aumentou mais que seis vezes que a área de Portugal, 64% maior que a da Alemanha, 55% maior que a do Japão. E você nem desconfiava…

A maior parte da população desconhece que, em 2008, foi criado o Fundo Amazônia para prevenir, monitorar e combater o desmatamento. Entre os maiores doadores do Fundo estão países comprometidos seriamente com a qualidade do clima: Noruega (94%), Alemanha (5%). A Petrobrás participou com modestos 1%.

Mas a preocupação com notícias da imprensa que dão conta que o governo federal pretende usar recursos do Fundo para indenizar fazendeiros que possuem imóveis em áreas de proteção ambiental pode levar os dois países europeus a encerrar suas doações. São doações para investimentos, não reembolsáveis, a fundo perdido, que já disponibilizaram cerca de R$ 3 bilhões para o país. Verba que, entre outros destinos louváveis, permite que o Brasil possa pesquisar e preservar a floresta amazônica sem gastar um centavo sequer.

Vale lembrar, no entanto, que o desmatamento na floresta amazônica em junho deste ano foi 88% superior ao verificado no mesmo período de 2018, segundo dados do INPE divulgados nesta semana. No ano passado, ainda no governo Temer, e devido ao aumento do desmatamento entre 2015 e 2016, os europeus chegaram a cogitar suspender as doações. Dando um voto de confiança ao Brasil, acreditando que o país faria sua parte para reverter o problema, suspenderam a intenção. Não fizemos o dever de casa!

Assim, nossa sociedade deve ficar alerta para o papel que este país representa na questão ambiental dentro da ordem mundial. Que não deixe ficar na mão – ou bolsos – de políticos a parcela de responsabilidade que lhe cabe na preservação de um meio ambiente sustentável para todos. Ou, que se revele de uma vez.

Somos parte do problema… e da solução! Falta-nos credibilidade!

Curtiu? Compartilhe

email: radeathayde@ponderando.com.br

O Brasil de Brasília

A imprensa, tão dedicada, com jornalistas e articulistas que escarafuncham todos os intestinos do governo e de seus membros, mas nada alardeiam em campanhas que poderiam ser educativas, se omite em esclarecer a opinião pública menos favorecida sobre a “farra” com que deputados e senadores são brindados, enquanto 13 milhões de brasileiros se encontram desempregados. Continue reading

Os cães ladram e a caravana…passa?

O atual governo – mestre em criar situações de conflito gerando polêmicas desnecessárias – é o que a democracia impôs à nossa sociedade. Desde a posse do presidente eleito não se passou um dia sequer sem que contestações e/ou controvérsias estivessem estampadas nas manchetes.

Imagino como os ministros das verdes-olivas penduradas nos armários reagem internamente diante do natural desgaste da imagem que sempre mantiveram, sob o lema “Braço forte, mão amiga”. Afinal, são presença marcante como “auxiliares” de um governo legalmente constituído, que a tudo contemplam, quietos como seria de esperar.

Já a ala política deste país, leia-se Congresso Nacional, destaca-se por suas mazelas, interesses espúrios, descomprometimento com os reais anseios da sociedade. Verdadeiros sanguessugas da Nação, protegidos por um sistema feudal, em realidade vivem em um mundo distante – muito distante – daqueles que os elegeram. Legislando sempre em causa própria e usufruindo de benesses obscenas são corporativistas mancomunados.

O terceiro poder – Judiciário – tem em seu STF – Supremo Tribunal Federal – a representação maior da soberba. Doutos juízes, indicados por presidentes da República, deixam rastros de suas convicções políticas em julgamentos vários, sem qualquer pudor, haja vista que são intocáveis – e blindados – neste país; aliás, único a possuir quatro instâncias judiciárias no mundo. Uma verdadeira “gangorra”: decisória, protelatória, autoritária!   

E fica a pergunta: se nossa sociedade se encontra – há anos – sobrevivendo a catástrofes eleitorais que vem legando a toda uma população, hoje com mais de 200 milhões, condições lamentáveis de viver com dignidade, o que se esperar mais a frente: em que futuro, como, por obra e graça de quem ou o que?

Defendo a adoção de uma república parlamentarista no país, a exemplo do que ocorre na Alemanha e outros 45 países mundo afora.  Regime que já esteve em vigor entre nós em duas crises: de 1847 a 1889 quando o Brasil passou a ser República e de setembro de 1961 a janeiro de 1963 na tentativa de retirar lenha da fogueira acesa com a renúncia do Presidente Jânio Quadros. Mas por que não progrediram?

A História do Brasil tem demonstrado que, enquanto este país não oferecer à sua população uma educação digna do nome, a única opção política de governo será a de conviver com um regime instituído ao estilo de “currais eleitorais” como o presidencialista.

Mas por ora, é orar aos céus para que o governo Bolsonaro encontre a luz que o país precisa para sair ileso do atoleiro em que se encontra. Pois é o que temos até 2022. Depois, quem sabe?

A ponderar.

Curtiu? Compartilhe

Como reinventar este país?

“A lista de maiores remunerações recebidas no ano passado traz, na sequência, os diretores-presidentes do Santander (R$ 43,068 milhões), da Bolsa de Valores – B3 (R$ 37,849 milhões), da Suzano Papel e Celulose (R$ 28,221 milhões), o presidente do Conselho de Administração do Bradesco (R$ 27,684 milhões) e o diretor-presidente da Vale (R$ 22,251 milhões)”. (UOL) Continue reading

Vale a pena ver de novo?

Estamos vivendo dias conturbados na política e economia brasileiras. Não é menos verdade que na Europa – por razões distintas, mas não menos preocupantes – a insatisfação e consequências dos rumos a serem tomados – por decisões não menos apaixonadas – podem repercutir em meio mundo com resultados imprevisíveis, inclusive para o Brasil. Continue reading

Não posso jogar a toalha

O Presidente Jair Bolsonaro assumiu o governo em 1° de janeiro sob enorme expectativa de reverter o quadro socioeconômico caótico herdado de administrações anteriores. Com uma estrutura mais enxuta que a encontrada, compôs seu ministério com nomes desconhecidos – indicação inicialmente considerada positiva – alimentando esperança daqueles que – pelo voto – o colocaram no Palácio do Planalto. Continue reading

Excelentíssimo Senhor Presidente da República Jair Messias Bolsonaro

Vossa Excelência, apesar de ter sido paraquedista durante sua vida militar. não caiu de paraquedas na cadeira mais importante da República, a de presidente deste país. Foi colocado lá por mais de 57 milhões que acreditaram em suas propostas para tornar mais digna a vida de todos os que confiaram – e não confiaram – em sua visão de governo, missão e valores. Continue reading

A Casa da Mãe Joana

“O Brasil está sendo governado por um bando de maluco”!

Esta frase foi proferida pelo ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva durante “entrevista exclusiva” concedida aos jornais Folha de S. Paulo e El País (Espanha), no último dia 26, na sede da Polícia Federal em Curitiba onde está preso desde abril do ano passado. Continue reading

« Older posts

© 2019 PONDERANDO

Theme by Anders NorenUp ↑