PONDERANDO

* * * Reflexão em 120 segundos * * *

Página 3 de 49

O Rio de Janeiro (não) continua lindo

Faz tempo, mas…

O nome dele era Mischetti. Não, não era italiano. Era um negão de 1,90 m de altura, simpático, amigo de todos e malandro típico. Malandro é aquele que não trabalha, que emprega recursos engenhosos para sobreviver. Popular entre a rapaziada de Ipanema (RJ), com quem jogava bola na praia e sinuca no bar da esquina próxima ao Bar Vinte, era uma figura memorável.

Para quem nunca ouviu falar, o Bar Vinte era o final da principal rua interna do bairro – a Visconde de Pirajá – “giratória” do fim da linha do bonde da linha 13, Ipanema, e do 11, Jardim Leblon, que vinha em sentido contrário.

Respeitado pela mini favela vizinha – localizada no início do bairro Leblon e caminho mais curto para, a pé, chegar-se ao “campo do Flamengo” – sua companhia era a garantia de trajeto tranquilo sem percalços em dias de jogo. Ressalte-se, no entanto, que nunca se soube de qualquer atividade perigosa na dita, à época chamada de Praia do Pinto.

Falando em praia, Ipanema, como as outras da região – Leblon e Copacabana – eram tranquilas, frequentadas basicamente pelos moradores dos bairros, sem a presença incômoda de ratos de areia (ladrões) e arrastões, água de coco ou chuveiros, com belas ondas para pegar “jacaré” (precursor do surf), tatuís na areia, arraias e água-viva no mar sempre azul.   

Mas malandro que era malandro, quando vestido a caráter usava terno jaquetão, camisa de seda (para evitar corte de navalha em eventuais rusgas com desafetos) chapéu de aba larga e calça de boca fina. Aliás, segundo a lenda – era um tempo em que o delegado responsável por Ipanema fazia rondas sempre munido de uma laranja e que, ao se deparar com um suspeito, jogava-lhe a laranja calça adentro para confirmar se passaria pela boca da dita. Se não passasse, cana! Folclore carioca.

Ainda naqueles tempos, nos fins de semana à noite, a “turma” ficava na porta do cinema Astória (moderníssimo) jogando conversa fora olhando as meninas e, aos domingos, tirando sarro dos cadetes do Exército cuja fardas possuíam seis botões dourados na parte de trás. Eram vários aguardando a chegada do ônibus que os levaria para a Escola e o sarro era chamar-lhes de “seis na bunda”… Bem carioca!!!

Já em Copacabana, mais sofisticada e mundialmente conhecida, o “footing” – flertar, paquerar, caminhar pela calçada desenhada com pedras portuguesas – era bem concorrido. Os mais abonados iam e viam do Posto 6 ao Leme desfilando em “conversíveis” de dar inveja. Sem qualquer preocupação com a segurança.

Mas aquela não era a praia do Mischetti.  

 

A porteira está aberta

Desde que me entendo por gente ouço dizer que o brasileiro não sabe votar. Descartando o emocional de muitos, creio ser verdadeira a assertiva, considerando nossa realidade indiscutível. Indiscutível por que a realidade se encontra diante de nossos olhos, comprovadamente, a cada dois anos.

Somos todos obrigados, por lei, a votar. Caso contrário, “democraticamente”  punidos com multas e impedimentos, exceto se apresentarmos justificativas em tempo hábil.

Hoje, o voto facultativo está vigente em 205 países do mundo e só em 24 deles (13 na América Latina) continua sendo obrigatório. Logo, o Brasil continua entre os poucos países com voto obrigatório, uma clara anormalidade democrática.

A obrigação atinge os brasileiros alfabetizados que têm entre 18 e 70 anos de idade. Para os analfabetos, os maiores de 70 e os que têm entre 16 e 18 anos, o voto é facultativo. Ou seja, analfabetos podem, também, votar! Quero crer que a baixa escolaridade da sociedade contribui para a também baixa politização de nosso povo, com consequências fartamente conhecidas.

Diante desse quadro, fácil entender-se porque este país se encontra na contramão da história. Enclausurados, políticos que administram e legislam em causa própria são, todos e ainda, protegidos pelo guarda-chuva de uma estranha justiça quando pegos em prevaricação.

As instâncias a que réus podem recorrer no Judiciário – desde que possuam cacife suficiente para poder pagar, a peso de ouro, advogados influentes – são intermináveis, como vem sendo demonstrado no caso de muitos “expoentes“ réus da Lava-Jato. Já em Pedrinhas, Ceará…

Aliás, o Brasil é o único país do mundo que tem quatro instâncias recursais podendo ampliar a duração dos processos quase indefinidamente. 

Ademais, contamos com um Superior Tribunal Federal cujos ministros, inexplicavelmente, mantem “dormindo” em suas gavetas – há anos – processos de políticos com foro privilegiado aguardando julgamento. E dizem que a justiça é cega. Deve mesmo ser!

Afinal, como em uma reação em cadeia, todos os que ocupam suas cadeiras no Executivo, Legislativo e Judiciário, foram lá colocados por nós cidadãos: direta ou indiretamente. Assim, somos, sem choro nem vela, os únicos responsáveis pela tragédia nacional que assola o país.

A porteira da eleição majoritária de outubro está aberta. “Fazemos qualquer negócio, só não vale xingar a mãe”, vociferam os arautos das urnas.

Segundo já afirmou o deputado federal Tiririca: “pior que está não pode ficar”. Pode sim! Cabe a nós desmenti-lo, apesar de tudo e do tempo nublado.

As moscas são as mesmas

A Corte das Cortesias

Por mais que oportuno, transcrevo texto de Chico Alencar, autor de BR-500: um guia para a redescoberta do Brasil, Ed. Vozes. 

“Há 210 anos, em 22 de janeiro de 1808, aconteceu um “segundo descobrimento” do Brasil. Aportou em Salvador, fugindo das guerras napoleônicas, a esquadra que trazia nada menos 15 mil fidalgos da Corte Portuguesa. Escoltada pela Inglaterra, a “senhora dos mares”, e tendo D. João à frente, os nobres logo se estabeleceram na capital da Colônia, o Rio de Janeiro.

Dom João VI ganhou de um traficante de escravos uma bela mansão na Quinta da Boa Vista. E, no seu curto reinado brasileiro (ficou até 1821), distribuiu mais títulos de nobreza do que em toda a história da monarquia portuguesa.

O historiador Pedro Calmon (1902-1985) dizia que “para ganhar um título de nobreza em Portugal eram necessários 500 anos, mas no Brasil bastavam 500 contos”

Passados pouco mais de 200 anos, só mudaram as moscas!

Há que se temer pelo futuro!

Aves de Rapina

Dez anos atrás o mundo enfrentava uma gravíssima crise financeira que ameaçava a estabilidade até de governos. Hoje, os tempos são outros, ventos das economias dos países desenvolvidos sopram a favor.  Mas como tudo é cíclico…

Àquela época escrevi um artigo abordando o tema que agora considero pertinente e a ser lembrado. Afinal, é “quando não chove, que se conserta o telhado!” Estamos em ano de eleição majoritária, mudança do inquilino do Palácio do Planalto e, quem dera, de 513 deputados federais e muitos senadores em fim de mandato que defendem com unhas e dentes apenas seus interesses pessoais.

A não ser no frio de Curitiba e pleno verão no Rio de Janeiro, a Justiça brasileira – também e com ressalvas – não parece ser tão cega nem expedita como sonha a sociedade. Daí arriscar-me a relembrar trechos de meu artigo “Lições de uma crise global” (outubro de 2008).

“Dizem que a necessidade é a mãe da invenção. Sem ação solidária todos perdem. Sem opções, as potências deixam as vaidades de lado. Suas diferenças regionais perdem importância. Seu poderio torna-se virtual. E como dizia o poeta: “Quando a fome bate na porta o amor foge pela janela”. O mundo começa a compreender que sinergia é isso: 1+1=3.

Excelente o momento para que nós, simples mortais, possamos aprender um pouco com esta situação. Não sobre finanças, economia, política internacional.  As razões desta catástrofe, que pode mexer – e muito – com nossas vidas, não têm fundamento técnico. Provavelmente serei excomungado por tal afirmação!

A meu ver, o ser humano é insaciável na busca de suas conquistas individuaisdo lucro fácil, da ostentação e do poder – seja ele econômico, financeiro, bélico ou pessoal. As instituições são geridas por homens e mulheres ansiosos por galgar posições hierarquicamente elevadas. Querem o topo! Visam conseguir uma projeção profissional que lhes permita auferir dos benefícios financeiros advindos de sua participação nas decisões. Quanto mais elevada a posição atingida, maiores as concessões a serem feitas… É a regra do jogo.

Valores pessoais e éticos ficam muitas vezes comprometidos pelo “glamour” do sucesso, pelos holofotes que iluminam seus egos, pela conta bancária generosa. A competência, a lisura, a responsabilidade e respeito pelo “outro” ficam ofuscadas quando as oportunidades duvidosas e tentadoras surgem e falam mais alto.

É chegado o momento de o individualismo se aposentar. Pensar – e agir – com consciência no todo e não apenas nas partes pode ser a tábua de salvação.”

 Qualquer semelhança com os dias atuais, por aqui, é mera coincidência.

Médico da Família

“A Medicina é definida como um conjunto de conhecimentos relativos à manutenção da saúde bem como à prevenção, tratamento e cura das doenças, traumatismos e afecções, considerada por alguns uma técnica e, por outros, uma ciência”. (Grande dicionário Houaiss)

Ao longo das últimas décadas, sua evolução em termos de descobertas de novas enfermidades e tratamentos, tem sido notável. O mesmo se pode dizer quanto ao desenvolvimento tecnológico. Já a simbiose entre médico e paciente vem sendo prejudicada pela explícita e crescente comercialização em área tão sensível ao bem-estar da humanidade.

Talvez não sejam muitos os que se recordam da figura do “médico da família”, aquele que além de conhecer a metodologia curativa conhecia também, e bem, seus pacientes como pessoas. Era uma época em que se dispunha de um número menor de exames – inclusive invasivos – para diagnosticar doenças. As anamneses, porém, avaliavam, inclusive, a qualidade e meio de vida dos pacientes e se integravam às consultas. Consultas que tinham hora para começar, mas não para terminar, sem tempo de duração pré-determinado! Tempos em que o médico da família sempre estava disponível ao alcance do telefone.

Mas não é de hoje que somos, todos, consulentes com direito a merecer do “esculápio” sua atenção apenas por dez, quinze ou vinte minutos se tanto. Existem exceções? Certamente. Principalmente se o paciente for “particular” e não conveniado… Imagina-se, no entanto, que ao escolher a Medicina como atividade dedicada – mais que como profissão – o futuro médico tenha se sentido profundamente identificado com o ser humano e comprometido com sua saúde e bem-estar por toda a vida. E não com a rentabilidade da profissão!  

Devo ressaltar que generalizo, mas com lupa à mão.

Hipócrates – considerado o pai da Medicina –  deve ficar muito desconfortável em seu repouso eterno constatando como estão se comportando seus seguidores séculos a frente. Ele, que buscava na natureza as causas e solução para os diversos males, estabeleceu que as causas da maioria das doenças se deviam a fatores climáticos, alimentares, hábitos cotidianos e meio onde as pessoas viviam. Isto, há 2.500 anos! Sabedoria antológica.

Hoje, a medicina “automatizada”, com exames vários fornecendo os elementos para definição de diagnósticos, mas com pouco ou nenhum tempo dedicado à interação médico-paciente, deixa na saudade o quadro concebido pelo Mestre.

Saudade do médico da família!

“Te agradeço pela vida”

Hoje é aniversário da filha que ocupa o primeiro lugar na fila com quatro. Não que seja mérito dela (ou meu…) cortar a fita de chegada, mas simplesmente porque chegou na frente dos outros três ao longo de um tempo em que a “antiga tabelinha” nem sempre funcionava. Os mais antigos certamente devem se lembrar da dita que hoje é conhecida como “Tabela Menstrual”. (Continua…)

Feliz Dia Novo

Vira o ano e junto com ele a renovação de muitas promessas e metas – não cumpridas – naquele que ficou para trás. O tempo foi avançando, a disciplina (?) afrouxando e levando ao esquecimento muito do que se almejava na euforia dos fogos de artifício de então. (Continua…)

Kerstfeest en gelukkig nieuwjaar!

Ritos e Rituais

E chegamos ao fim de mais um ano. Ano de muitos acertos, desacertos, realizações e até mesmo algumas frustrações por termos deixado escapar, talvez, oportunidades que confiamos possam ressurgir em 2018. (Continua…)

Pedras no Caminho

Difícil imaginar-se alguém que ao longo da vida não tenha sofrido algum tipo de fracasso ou rejeição. O comportamento, inerente à espécie humana – e animal também, por que não? – faz parte da existência de todos nós, mantendo-nos em permanente estado de expectativa diante das mais variadas e inusitadas situações. (Continua…)

« Publicações antigas Novas publicações »

© 2018 PONDERANDO

Desenvolvido por CS ProjetosRolar para cima ↑