PONDERANDO

Desde 2 0 0 8

A desatualização é um vírus letal #605

O emprego é um contrato de trabalho estabelecido entre duas partes, onde uma compra o conhecimento da outra para executar tarefas que visem atender os objetivos do contratante.

Simples assim, o contratado (empregado) vende seu conhecimento pelo valor de mercado que – como qualquer produto – depende das condições econômicas, políticas e sociais do momento.

Com isto em mente, é fácil compreender que a flutuação entre atender as necessidades de mercado e a dinâmica dos negócios valoriza – ou torna obsoleto – aquele que é o maior ativo que um profissional pode possuir: seu conhecimento!

Em tempos de desenvolvimento tecnológico acentuado como na última década – quando máquinas vem substituindo mão de obra e a exigência de conhecimentos técnicos variáveis, culturais e de relacionamento pessoal tem sido crescente – a desatualização é um vírus letal.    

A pandemia está acelerando a mudança radical do perfil dos negócios e das profissões. As leis ocultas de mercado são impiedosas, camufladas, apenas poupando profissionais que se mantem navegando, apesar das tormentas.

“Muitas carreiras desaparecerão e outras serão substancialmente alteradas. Até 2030, espera-se que a taxa de desemprego global cresça 4 vezes, dos atuais 4,9% para 20% (Fórum Econômico Mundial, The Future of Jobs)”. Alerta!

Lentamente, novas profissões estão surgindo enquanto muitas estão definhando, aguardando o ocaso. Nenhuma novidade quanto a isso já que há décadas o processo vem se acelerando. A título de curiosidade, profissões imprescindíveis como telefonista, linotipista, mensageiro, operador de mimeógrafo, datilógrafo, ator e atriz de rádio, lanterninha de cinema, arquivista já desapareceram.

Operadores de caixa e telemarketing estão na marca do pênalti. Na fila, digitadores, corretores de imóveis, caixas de banco, relojoeiros, contadores, agentes de viagem, carteiros… Falta-me espaço para continuar.

Por não outra razão, atualização permanente de conhecimentos e percepção aguda com capacidade de ler sinais e entrelinhas não apenas de sua profissão, mas também do em torno onde ela está inserida – política interna, externa, econômica, internacional – podem fazer a diferença no radar dos acontecimentos e sua influência onde atua.

Ficar um passo à frente pode ser um “plus” na manutenção de seu emprego. Isto significa ter perfeita noção que suas aptidões, formação e experiência correm o risco de ter caducado!

Novas profissões estão em curso, tendo as tecnologias como ferramentas indispensáveis e exigindo conhecimentos adicionais para sua reformulação, integrando ciências exatas às sociais como a medicina,  biologia, psicologia.

As Humanidades – não mais engessadas – passam a conviver com robôs que não são capazes de interpretar situações humanas, como dilemas sociais, valores, cultura, prioridade do certo e errado, entre outros. A máquina pode não ter essa sensibilidade, mas saiba que filósofos, antropólogos e psicólogos estão cada vez mais trabalhando com inteligência artificial, porque o sistema precisa de humanização. Novíssimos tempos!

O amanhã já chegou!

email – radeathayde@gmail.com

Você tem Opinião própria? #604

Claro que tem. Todos nós nos posicionamos – perante as situações que surgem – “trocentas” vezes por dia. Nem por isso, como sabe, abre mão de ouvir ou ler sobre pensamentos diferentes do seu. O que não significa que, eventualmente, venha a concordar com o que ouviu ou leu distintamente de como vê o mundo.

Não somos perfeitos nem oniscientes. É verdade que tem gente que não pensa assim e se julga dona da verdade. Quando coloco meus pontos nos i tenho consciência que os pontos são meus, mas os i são dos que leem.

O que você lê aqui é importante? Contribui para incrementar seu conhecimento, revisão de ponto de vista ou apenas saber do que se trata?

Permite-se discordar – e aí se manifestar possibilitando, quem sabe e talvez, uma réplica? E depois uma tréplica quando se justifica? Ou se mantem em silêncio guardando para si sua sagrada – sagrada, sim – opinião?

Escrevo esta matéria em mais um dia de interminável isolamento, na esperança de, quem sabe, encontrar alguém ou alguns – em situação análoga ou não – para melhor compreender esta Nova Era que nos impõe um novo olhar para encarar cada novo dia.

Não são poucos os que já adquiriram essa consciência. Reformular modos de agir e pensar não é fácil. Você e eu sabemos disso. Claro está que, também, são poucos os que se negam a admitir que tudo permanece como era. Aliás, não é preciso uma pandemia para manter como verdadeira essa afirmação. Tudo muda, o tempo todo. “Só Carolina não viu”.

Aliás, a música e letra geniais – do também genial Chico Buarque – composta na década de ’60, a meu ver, não perdeu a validade.

Em meio ao oceano de dificuldades enfrentadas por todos – uns mais, muito mais, outros menos – nossa solidariedade e compreensão evoluíram tomando uma consciência (maior) que ninguém é uma ilha. Figurativamente, somos um arquipélago interligado por pontes. Umas em bom estado e outras nem tanto.

Assim, se conseguiu permanecer lendo até aqui, obrigado.

Coloco-me à disposição para um ponderado bate e volta.

Cuide-se!

email radeathayde@ponderando.com.br.

Sua vida é tão importante quanto a minha #603

O homem é um animal gregário. Aristóteles dizia que o homem não pode suportar a ideia de estar só consigo, quer ser unidade e não individualidade.

A pandemia que se instalou no planeta desde o fim do ano passado, mas sem data para terminar, pegou o ser humano de surpresa ao defrontá-lo com a “COrona VIrus Disease” (Doença do Coronavírus), que agrega o “19” por se referir a 2019, quando os primeiros casos em Wuhan, na China, foram divulgados publicamente pelo governo no final de dezembro.

O assunto, por demais complexo, gera discussões, análises científicas e nem tanto, levando teorias e comprovações ao conhecimento do público, ignorante na matéria, não raro com pouca ou nenhuma compreensão do que está sendo discutido e exposto. Para sua proteção o ser humano aprendeu, de forma simples, que deve manter o distanciamento social, lavar as mãos com frequência fazendo uso de água e sabão ou álcool em gel 90, usar máscaras em quaisquer ambientes. De resto, permanece sem entender muito bem – ou entendendo muito mal – como tecnicamente são avaliados os critérios que determinam o estágio em que se encontra a doença no seio das populações.  

A estratégia para lidar com a CoVid-19 é, na opinião de diversos cientistas, limitada demais para deter o avanço da doença. “Todas as nossas intervenções se concentraram em cortar as rotas de transmissão viral para controlar a disseminação do patógeno”, escreveu recentemente em um editorial Richard Horton, editor-chefe da prestigiosa revista científica The Lancet.” Parece ser muito pouco ainda, o que levou ao desenvolvimento de vacinas em tempo recorde de olho no bilionário e lucrativo mercado mundial.  

O fato é que adentramos em uma Nova Era, apesar da resistência ferrenha do ser humano reconhecê-la em maior ou menor grau. O embate economia/política/saúde leva esse ser dito pensante a considerar o bolso e a forma de encarar a “liberdade” mais importantes que a vida. Os bilhões de potenciais vetores (veículos transmissores de doenças) à solta e mais de um milhão de óbitos mundo afora nestes nove meses parecem não alterar o viés de como enxergamos a sobrevivência. E quanto as flexibilizações? Abriram-se as porteiras!

Não estou certo se milhões de cruzes repousando em terrenos indigentes são suficientes para conscientizar o ser humano a repensar porque habita este planeta, qual sua função e seu destino. O somatório das forças ativas em todo o universo é regente enquanto à orquestra – você, eu, nós – cabe ler as partituras.

A sua vida é tão importante quanto a minha! Cuide-se!

email radeathayde@gmail.com

Este o mundo que estamos a viver #602

Os assuntos dominantes desde o fim da semana passada foram o debate entre os dois candidatos à presidência dos Estados Unidos – Donald Trump e Joe Biden – e a contaminação do primeiro pela Covid-19. O debate, de uma pobreza franciscana, mas de uma agressividade “trumpiana” de um lado – e a apatia do oponente que pretende ser o homem mais poderoso do mundo do outro – é uma demonstração de como a sociedade mais rica do planeta trata de temas que afligem toda a humanidade.

Céu de Brigadeiro à Vista #601

José Celso de Mello Filho, jurista e magistrado, é ministro do STF – Supremo Tribunal Federal – desde 1989. Decano do tribunal desde 2007 foi presidente daquela Corte de 1997 a 1999. Um exemplo de notório saber jurídico e probidade.

Este breve perfil de um dos mais renomados ministros do STF em todos os tempos revela que, ao entrar na aposentadoria em duas semanas, sua cadeira dificilmente será preenchida por alguém próximo de seu quilate.

A Corte é formada por 11 ministros escolhidos entre os cidadãos com mais de 35 e menos de 65 anos de idade, “de notável saber jurídico e reputação ilibada”. Não precisam ser magistrados de carreira, a indicação é feita pelo presidente da República e precisa ser aprovada pela maioria absoluta do Senado. Os ministros são compulsoriamente aposentados aos 75 anos.

Mas os requisitos avaliados por suas excelências – os senadores – nem sempre são objeto de julgamento crítico e severo como no caso do hoje ministro José Antonio Dias Toffoli, indicado pelo ex-presidente Lula ao tempo em que era Advogado Geral da União. Sem mestrado nem doutorado – havia sido reprovado duas vezes para o cargo de juiz – e respondia a processo no Amapá. Mas sabatinado, foi aprovado com folga pelos parlamentares.

Para substituto do ministro Celso de Mello o presidente da República já se manifestou propenso a indicar para a mais alta magistratura do país “alguém terrivelmente evangélico”. Terrível a premissa, mas nada contra quem professa qualquer religião.

Como já existem candidatos visíveis ao cargo, qualquer nome a ser submetido à sabatina no Senado terá céu de brigadeiro. Afinal, o futuro a Deus pertence, mas sabe-se lá se algum dia um dos senadores sabatinadores vier a cair nas teias do STF e tenha reprovado o pretendente durante a arguição… Portanto, altamente improvável qualquer surpresa no quesito!

Digno de nota: no atual Senado Federal um em cada três senadores (são 81) responde a acusações criminais (Congresso em Foco).

Registre-se, por oportuno, que ao longo dos últimos 127 anos – desde a Proclamação da República, em 1889 – o Senado rejeitou apenas cinco indicações presidenciais, todas durante o governo Floriano Peixoto (1891 a 1894).

Mas os tempos eram outros e Brasília… não existia.

 Com eleições municipais previstas para novembro, nunca é demais lembrar que campanhas eleitorais são criadas por marqueteiros. Assim, não são poucos os que votam apenas com os ouvidos e imagens gravadas na memória pelo que lhes é mostrado na televisão.

E mais: resultados das municipais pavimentam a estrada para as majoritárias em 2022…

É necessário ser mais explícito?

e-mail radeathayde@gmail.com

Seiscentésima #600

Durante os últimos 12 anos – semanalmente – apreciações, análises, avaliações tem sido aqui externadas na tentativa de levar aos leitores ponderações sobre temas do momento, igualmente espelhados no blog Ponderando, que tem como filosofia “acreditar na magia da palavra escrita como elo de aproximação entre pessoas que comungam de um mesmo pensamento e fonte de oportunidades para reflexão de outras tantas que assim não pensam.”

Trata-se, portanto, de uma avenida de duas mãos. Consciente ou inconscientemente somos todos influenciados pela leitura. A palavra escrita tem o poder de formar opiniões – ou deformar informações – nos tornar críticos e reflexivos, com alcance profundo no direcionamento de nossas vidas.

 Uma palavra mal verbalizada pode ser apagada pelo tempo. A escrita, jamais! Não por outra razão a responsabilidade que recai sobre quem escreve não pode nem deve ser minimizada. Parafraseando Saint-Exupèry, em seu “O Pequeno Príncipe”: “Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que… escreves”. Consciente ou inconscientemente somos todos influenciados pela leitura.

O desenvolvimento tecnológico – incrementando velocidades e reduzindo tempos em todas as atividades – vem transformando o perfil do leitor. Publicações digitais ampliam o universo da leitura ampliando também a gama de opções em um único lugar. Portas mais largas abertas para os aficionados.

 O ato de ler não é um ato solitário. A interação entre autor e leitor é intrínseca. A procura por informação, conhecimento ou diversão cria uma cumplicidade ainda que temporária entre eles. A aprovação – ou rejeição – com exceções, permanecerá reservada. Mas, certamente, ambos permanecerão ativos ainda que, eventualmente, em condições diversas.  

 Esta coluna está comemorando sua seiscentésima edição.

Tem resistido ao tempo sem qualquer esforço ou obrigação, assim como o blog que lhe deu origem. A parceria com o JC tem sido incondicional, respeitosa, dentro dos preceitos que regem o bom jornalismo.

 A você, leitor, leitora, ao Jornal Cidade de Holambra, obrigado por fazerem parte de nossa história.      

 e-mail – radeathayde@ponderando.com.br

 

 

Brasil em Chamas #599

O ocupante do Palácio da Alvorada, em Brasília, afirmou que a pressão internacional por medidas para conter o aquecimento global seria um “jogo comercial”. Comentário feito durante a Convenção das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas, a COP-25, realizada em Madri (2019). E mais: “Essa história de que a Amazônia arde em fogo é uma mentira”, disse o presidente em discurso durante encontro com outros mandatários da América do Sul para discutir a preservação do meio ambiente.

Faz coro com o também ocupante da Casa Branca, em Washington, D.C que retirou os Estados Unidos do Acordo de Paris, acordo histórico das Nações Unidas contra o aquecimento global (celebrado por 195 países, em dezembro de 2015), alegando entre outras que as mudanças climáticas eram uma farsa inventada pela China para prejudicar a indústria americana…

Jogando para suas torcidas, ambos os ocupantes tem olhar fixo no futuro. Um com jogo marcado para novembro próximo e o outro para outubro de 2022. Mas para ambos a ambição política supera quaisquer outros interesses: inclusive o da preservação da saúde de seus compatriotas.

No Brasil, números alarmantes fornecidos pelo INPE registram 133.974 focos de incêndio acumulados em todo país entre 1º de janeiro e 14 de setembro, um aumento de 13% em relação ao ano passado; só na Amazônia são 64.498 focos de pontos de queimadas.

Não bastasse, um incêndio está queimando desde meados de julho no Pantanal, deixando rastro enorme de destruição em uma área maior do que a cidade de Nova York, um recorde de 23.490 quilômetros quadrados queimados até 6 de setembro.

O morticínio de espécies da flora e fauna – muitas em extinção – causado pela devastação de incendiários que atingem também a saúde da espécie humana parece não sensibilizar os (ir)responsáveis por políticas públicas responsáveis.  

São homens cegados pelo poder, obsessivos, desprovidos de sentimentos por animais, natureza e – por que não? –  por seus semelhantes, capazes de iludir a boa-fé de seus concidadãos, com falácias e hipocrisias.

A definição de homo sapiens como homem sábio, ser humano, ser pessoa, certamente não se aplica a esse tipo de gente abjeta.

COMPARTILHE

email: radeathayde@ponderando.com.br

Homenagem à Vida #598

A história, verídica, passou-se durante a segunda guerra mundial.

Um bombardeiro B-17 da Força Aérea dos Estados Unidos, em zona de término de combate, com um artilheiro morto e outros seis tripulantes feridos a bordo, além de dois motores destruídos, escapa em direção à sua base quando se emparelha com ele, asa com asa, um caça, mas com a suástica pintada na fuselagem.

Os pilotos trocam olhares fixos. O piloto alemão faz um gesto com a mão sugerindo ao piloto americano que prosseguisse em seu caminho batendo continência, no que foi correspondido da mesma forma. A seguir, dá meia volta enquanto o americano continuou em seu retorno à salvação.

Guerras, como pandemias, sempre tem princípio e fim. Talvez, na cabeça de ambos os pilotos, após o gesto de respeito pelo outro, tenha lhes passado a visão de que terminado o conflito bem poderiam, por obra do destino – caso sobrevivessem – encontrar-se por acaso na Hofbräuhaus, mais famosa choperia de Munique ou visitando o Metropolitan Museum em Nova York.

Não menos conscientes de que – como militares treinados e cumprindo ordens – mataram muita gente do outro lado. Mas naquele momento único falara mais alto o ser humano, o respeito pelo outro que como ele deixara em casa uma família à espera de sua volta.

Pandemias, como guerras, tem sempre princípio e fim. Não há quem não seja afetado direta ou indiretamente por elas. Inúmeros os que sofrem perdas irreparáveis causadas por desvarios de homens encastelados no poder que em sua ambição desmedida se julgam acima do bem e do mal.

A história do “day after” vem se repetindo através da história e por isso, de tempos em tempos e por triviais razões – poder, ambição, fanatismo – a temperatura sobe, levando homens insensatos a fazerem a cabeça de milhares, milhões de pessoas, induzidas por máquinas de convencimento emocional quando não por ideias fratricidas, genocidas, racistas.

Passados os vendavais, a tormenta, os que se odiavam novamente se dão as mãos, sempre diante de novos tempos, por falta de opção ou interesses em curso.

E parodiando o gênio que foi, Charles Chaplin: “Se matamos uma pessoa somos assassinos. Se matamos milhões de homens, celebram-nos como heróis.”

Minha homenagem aos pilotos dessa história! E à preservação da Vida!

email – radeathayde@ponderando.com.br

Aglomerações: gatilho de efeito retardado? #597

Difícil, ainda sob a tutela da pandemia da covid-19, fugir de temas a ela relacionados principalmente se você estiver confinado em casa e ser enquadrado na categoria alto risco. Não são poucos os que se encontram nessa situação, mas muitos, inúmeros, os que estão nem aí. Aglomerados em praias, bares e baladas, por ignorância ou incompreensão, mas não por desinformação, esses milhares de indivíduos espalhados por todo o país podem estar se transformando em armas letais de efeito retardado. Ou suicidas em potencial!

Muito tem se discutido e lido sobre este tipo de comportamento. Mas parece que uma força maior que a do bom senso ou, pelo menos, a de respeitar a dúvida, prevalece principalmente entre os mais jovens, aqueles que se julgam eternos e a prova de tudo. 

Afinal, em algum momento, devem ter se dado ao trabalho de fazer uma continha e concluíram que, se são 26 milhões de pessoas infectadas em todo o mundo (população 7,5 bilhões) a proporção de óbitos em relação a população do planeta é de 0,033. Ora, no Brasil essa proporção (óbitos/infectados) é de 0,031 na data de hoje (31/8), bem próxima da mundial. Então?

Então a conclusão que se poderia tirar desse raciocínio é que as circunstâncias por aqui não parecem ser mais graves que no resto do mundo, apesar de na Europa a situação ter ficado mais alarmante durante muito tempo e as condições, por lá, de prevenção severas e controladas por um longo período.

Ora, dir-se-ia então que a flexibilização indiscriminada, independente, autorizada pelas autoridades municipal ou estadual, aqui, estaria “compatível” com as regras duras estabelecidas em outros países, haja vista os resultados alcançados até o momento…

Como autoridades sanitárias, governos e cientistas ainda estão aprendendo sobre o comportamento do vírus, somos obrigados a conviver com os que arriscam suas vidas – e as de seus semelhantes, “por tabela” -, dando um exemplo descompromissado com o desconhecido.

Mas um dia, passado esse episódio – que está transformando o comportamento de todos nós, seja na forma de se relacionar, de educar, de conduzir os negócios, na valorização da vida – terá seu peso avaliado pelos sobreviventes.

Eis que a vida sempre segue seu curso!

E a pergunta que deveríamos ter em mente no momento, sem qualquer discurso, é como pensamos a vida e como trata-la: a própria e a dos semelhantes.

Aqueles seres muito simples e pequenos, formados basicamente por uma cápsula proteica envolvendo o material genético, que chamamos de vírus, ainda “dão um baile” nos seres ditos inteligentes: nós!

Portanto, cuide-se!

email radeathayde@ponderando.com.br

CURTIU? COMPARTILHE

Saia do seu Casulo #596

Com milhões de telespectadores em todo o mundo assistindo à final do jogo de futebol do ano – “Champions League“ – entre Bayern de Munique (Alemanha) e o badalado clube francês PSG, encerramos mais uma semana, com a população enfrentando os efeitos da pandemia, cada segmento da sociedade enfrentando-a a seu ver ou crer, a vida política transgredindo um mínimo de ética, as falácias midiáticas iludindo os mais despreparados em uma guerra sem fim.

Entrar no mérito de qualquer uma dessas questões leva a interpretações estéreis, passiveis de contestações, não contribuindo em absolutamente nada para desopilar o fígado dos mal humorados nem alegrar mais a vida daqueles que com ela estão de bem.

Não tenho ideia do número de brasileiros confinados em casa respeitando a orientação das autoridades sanitárias. Qualquer que seja ele, a vida dessas pessoas não tem sido fácil, especialmente aquelas com crianças – sempre irrequietas – e idosos muitas vezes distantes de seus familiares.

A vida de cada um de nós nunca foi – nem é – uma planície. Mas em momentos como os que estamos a enfrentar é inevitável que tenhamos todos, creio que sem exceção, “conversado com nossos botões” questionado certezas e incertezas, revisado posicionamentos – até secretos – e, quem sabe, dando um novo rumo em suas vidas.

Aliás, a julgar-se pelas notícias otimistas, são inúmeros os casos de pessoas que se reinventaram partindo para atividades díspares das habituais mudando o viés da perspectiva. Talvez seja por isso que em algumas situações análogas tenha surgido o ditado “a necessidade é mãe da invenção “.

Quero crer que, para muitos, portas se abriram motivando desalentados a “partir para a briga” em uma contaminação saudável.  Afinal não seria absurdo lembrar o que todos sabemos, – mas insistimos em, compreensivamente, mascarar – olvidando que a vida é hoje, o amanhã é incerto, a idade não é privilégio nem tão pouco obstáculo.

A saúde é primordial e a covid-19 mais um desafio a enfrentar entre tantos que assolam a humanidade. Assim, cuide-se!

E se puder, fique em casa, mas saia do seu casulo.

CURTIU? COMPARTILHE

e-mail radeathayde@ponderando.com.br

A Palavra é Sua #595

Vivemos em uma sociedade abrigada debaixo do guarda-chuva democrático. A cada dois anos, regido pelo sistema em vigor, a população é lembrada que deve votar- seja para eleições majoritárias ou proporcionais. Obrigado a votar, o eleitor é penalizado se não se apresentar às urnas para cumprir com seu “dever cívico”. Se existe a obrigação de votar, o sistema se autodenuncia por inexistir liberdade de opção em exercer o direito, ou não!

O Brasil permanece, como nação, uma colcha de retalhos coloridos. Desnecessário entrar em detalhes cansativos das razões, por demais conhecidas.

Desde a Proclamação da República, nos idos de 1889, mediante um golpe de Estado político-militar e tendo como primeiro mandatário o Marechal Deodoro da Fonseca, a colcha vem sendo tramada, remendada, por sucessivos herdeiros políticos.  

E apesar de sermos o quarto maior país em extensão territorial do planeta, depois de Rússia, Canadá e China, é o único considerado do terceiro mundo, eufemisticamente, “em desenvolvimento” …

Triste sermos o segundo maior exportador mundial de alimentos e não conseguirmos alimentar toda a população saudavelmente. Ser o segundo maior produtor de minério de ferro do planeta, o terceiro maior produtor mundial de manganês e aquele que concentra 98% das reservas conhecidas de nióbio no mundo (usado em cápsulas espaciais, reatores nucleares, semicondutores). E permanecermos pobres.

Paradoxalmente, Universidades brasileiras reconhecidas – muitas internacionalmente – tem produzido mentes brilhantes, homens e mulheres capacitadas academicamente, seja nas artes, na cultura, na ciência. Mas a história parece demonstrar que para acordar este gigante – deitado eternamente em berço esplêndido – é preciso mais que educação de nível superior.

A riqueza de nosso solo e biomas não parecem ser suficientes para bancar a “revolução na educação” eis que carecemos de educação de base de qualidade, alicerce da formação de escol, tema espinhoso sempre relegado a segundo plano por governos seguidamente.

Já são 131 anos desde a libertação do país do jugo colonial. Mas ainda permanecemos sob o jugo da ausência do Estado na Educação, da insalubridade que afeta metade da população, da impunidade servil aos poderosos.

Se é verdade, segundo Pero Vaz de Caminha, que no Brasil em se plantando tudo dá, então é chegada a hora de plantar a Educação de alto nível no país. Sementes de qualidade não nos faltam. Nem produtores.  

Falta-nos, então, o que? A palavra é sua!

COMPARTILHE

« Older posts

© 2020 PONDERANDO

Theme by Anders NorenUp ↑