A comemoração de um aniversário é sempre motivo para festa. Comemorar é trazer à memória, fazer recordar. Reverenciar o passado, exultar o presente. Seja por nascimento, casamento, fundação de uma instituição ou emancipação. Este último termo, também definido como libertação, independência, está estreitamente associado à soberania política e econômica de regiões.

Holambra obteve a sua nos idos de 1992, estando prestes a completar sua maioridade. Sem ter atingido ainda sua fase adulta cresce, aos 17 anos, com todo o vigor de uma adolescente.  Exibindo seu charme com orgulho, rebelde por vezes, incompreendida outras tantas, vem sendo tutorada por escolha de seus filhos.

Até a época do plebiscito que resultou em sua emancipação – para quem não sabe ou não presenciou, houve um sim – era ela, no entanto, abrigada por quatro distintos tutores.  Nem todos lhe davam a atenção merecida, sofrendo com o isolamento, sem infra-estrutura, falta de atenção de seus protetores e de recursos para se desenvolver.

A sempre almejada independência, típica da adolescência, passa pelas inevitáveis atribulações inerentes a essa fase da vida. Com a nossa adolescente não tem sido diferente. Sua maturidade vem sendo conquistada passo a passo, com muitas alegrias e algumas decepções.           Como menina-moça e já mãe generosa, tem abrigado novos filhos oriundos de todos os cantos, com o mesmo acolhimento com que há mais de 60 anos esta terra recebeu os primeiros imigrantes holandeses que para cá vieram em busca de uma vida mais digna. Fizeram eles a sua parte. Passaram o bastão a seus descendentes que, unidos aos da terra, formaram novas gerações. Gerações que pelo trabalho e dedicação transformaram uma fazenda rústica em uma cidade prazerosa, invejada, de porvir ainda mais promissor.

Seu futuro vai depender exclusivamente da convivência harmônica, de entendimento mútuo, entre tutores e filhos desta terra. Olhar para cima, para frente, com altivez, perseguindo os justos anseios dos que nela vivem e convivem, é o desafio.

Qualidade de vida é o que nossa Holambra pode nos oferecer. É o que almejamos e merecemos. Trabalhemos unidos para que nossa menina-moça, ao atingir a maioridade no próximo ano, nos brinde com seu encanto levando-nos a cantar parabéns de mãos dadas. Sem distinção de raça, credo ou convicções políticas.

Parabéns a você que aqui vive e faz dessa, a sua terra. Nossa terra.

Obrigado por existir Holambra!

 

 

 

/10/2009