A Constituição federal prevê a aquisição da nacionalidade brasileira por estrangeiros mediante certas premissas. Preenchidas todas, a concessão da naturalização é uma faculdade, exclusiva, do Poder Executivo Federal. Curioso, mas verdadeiro.

Aqueles que se tornam cidadãos verde-amarelos por escolha própria têm mais consciência de seus direitos e obrigações. E não apenas isto. Contrariamente ao que acontece com os brasileiros natos, são obrigados a ler e escrever a língua portuguesa. Exigência que deveria valer, também, para qualquer cidadão nascido no país. Como não dispomos de um sistema educacional eficiente que ofereça um Bolsa Analfabeto, o contingente dos que que ainda assinam com o polegar sujo de tinta e tomam conhecimento das notícias apenas pela televisão e rádio não é pequeno.

Houve uma época em que se aprendia na escola a letra e música dos diversos hinos brasileiros. E não menos sobre nosso pavilhão auriverde. Não me surpreenderia se hoje, aqueles que tem acesso à escola, em qualquer nível, saibam que além do Hino Nacional do Brasil, existem hinos como à bandeira, da proclamação da república e da independência. O civismo de nosso povo – cuja maioria provavelmente ignora o significado da palavra – pode ser medido pelo desconhecimento que têm, até, da letra do hino nacional.

Os norte-americanos são exemplo contundente no quesito civismo. A bandeira do país, invariavelmente, está sempre presente em atividades cívicas, em inúmeras cenas de seriados para televisão, fimes e até em shows quando ocorrem por lá. Uma veradeira lavagem cerebral, no bom sentido. Não duvidaria afirmar que talvez seja ela, a bandeira, a mais reconhecida entre todas as do planeta.

Enquanto isto, por aqui, época de Copa, nunca se viu tantas da nossa “Ordem e Progresso” flamulando no mais puro clamor cívico. Seria a nossa, a bandeira do futebol? E o que é feito delas, depois da festa? Mantê-las em locais visíveis, para transmitir conhecimento e estimular em crianças e jovens o sentido patriótico que tanto nos falta, poderia ser uma alternativa. Aos pais e mestres, a sugestão.

Tenho cá as minhas dúvidas – com todo o respeito – se até mesmo você que me lê, conhece o significado de cada detalhe de nossa bandeira. Asim, um pequeno e singelo teste: (1) quantas são as estrelas presentes na dita e o que representam e (2) a que fica na parte superior do círculo representa o que?