Semana retrasada, na seção Carta ao Leitor deste jornal, foi publicado um texto conclamando a população e entidades legalmente constituídas de Holambra a participarem de manifestação pacífica na Praça dos Pioneiros, dia 7 de agosto às 15 horas.

O convite, feito pelo jovem Lucas van de Groes, holambrense de nascimento e neto de pioneiros, demonstrava sua preocupação com a preservação dos patrimônios histórico, artístico, cultural e arquitetônico de nosso município. A razão, fortes rumores de que a praça poderia vir a ser ocupada com a construção de uma rodoviária.

Para os que desconhecem nossa história, lá existe uma casa que foi construída para abrigar o primeiro presidente da Cooperativa Holambra e sua família e, a seguir, o senhor Charles Hogenboom, personagem de destaque no desenvolvimento inicial de nossa terra. Terra pobre e infértil que na época recebeu incentivos do então Príncipe Bernard, da Holanda e apoio do Rei da Bélgica, para fortalecer o espírito dos primeiros pioneiros. Pioneiros que ao longo do tempo transformaram nossa Holambra na maior produtora de flores e plantas da América Latina.

O texto da carta publicada transformou-se em anexo de e-mails, divulgado para dezenas de endereços, com repercussão imediata e contagiante. A leitura que se pode fazer da iniciativa é a de que a população está, sim, consciente de que é preciso resguardar a memória da história de Holambra.

Progresso e criação de bem estar para a população não significa destruir o que nos é caro. Já foram cometidos alguns deslizes neste particular e espera-se que o futuro nos reserve condições e o direito de contarmos a história desta terra – mais que uma cidade – com indeléveis recordações.

No dia e horário aprazados a praça reuniu dezenas de pessoas conscientes de seu apoio à iniciativa de clamar pacificamente pelo tombamento da área. Reunião que contou, inclusive, com a presença de autoridade municipal. Autoridade que afirmou e confirmou que a área será preservada e um Conselho responsável por decisões referentes aos patrimônios será criado, somando esforços.

Momento marcante ao final da cerimônia foi a roda feita pelos presentes que, dando-se as mãos e contornando boa parte da praça, em uníssono se pronunciaram com frases simbólicas.

A bem sucedida iniciativa de Lucas van de Groes deve servir de exemplo. E incentivar aqueles que com seus direitos constituídos, espírito cívico denodado e plena consciência de sua responsabilidade para com a cidadania possam tornar nossa Holambra uma terra cada vez melhor de se viver e conviver.

Valeu, Lucas!