voto-conscienteDe acordo com a Justiça Eleitoral, são 83 os candidatos a vereador em Holambra, sendo a Câmara Municipal constituída por 9 legisladores. Com uma população de 13.375 habitantes, possui registro de 10.405 eleitores.

No exame do perfil dos candidatos, constata-se que as três profissões mais declaradas foram – pela ordem – servidor público, empresário e comerciante. A título de curiosidade: cerca de 8% dos que pleiteiam uma vaga preencheram o documento de registro no campo Ocupação: “Outros”. E 6%, no item Instrução: “ Lê e escreve. ”       

Juntamente com o número de profissões declaradas – vinte e nove ao todo – a escolaridade predominante foi a do ensino médio completo, seguida pelo superior completo à frente do ensino fundamental incompleto por margem mínima.  

Desde a mais antiga das profissões até a mais humilde – todas dignas – não existe aquela que possa prescindir de algum nível de conhecimento. As mais complexas, como sabemos, exigem longa escolaridade, notório saber, atualização permanente.

Maior ciclo de estudos não implica, necessariamente, que alguém possua maior grau de conhecimento. O fato e a verdade, no entanto, é que quanto mais complexo o exercício da profissão maior a capacitação de qualquer indivíduo para exercê-la.

Na política, o exercício do mandato de vereador no legislativo, concedido pelo povo, não é diferente. Há que ter visão ampla do conjunto que representa uma Câmara de Vereadores; há que ter o domínio da língua portuguesa para elaborar e propor projetos os quais, em toda a sua extensão, irão afetar de uma outra forma a vida dos cidadãos de seu município; há que ter fluência na leitura e compreensão de textos para debatê-los na defesa ou crítica de propostas advindas do Executivo; há que ter ética, para não sucumbir aos políticos profissionais que rezam a oração de São Francisco: “ é dando que se recebe…”; há que ter espírito público (sensibilidade para os reclamos da opinião pública) agindo de acordo com sua consciência.

Sem esquecer – ainda – que é de sua competência fiscalizar os atos do Poder Executivo Municipal – com isenção – em benefício de toda a comunidade.

Cumpre lembrar que, na vereança, bons amigos – se eleitos –  podem não possuir os requisitos para legislar em seu nome, nem ter capacidade de diálogo com seus pares, com o Executivo e a comunidade.

Assim, no próximo domingo contribua com seu voto consciente para ajudar seu município a ser um lugar melhor e mais seguro para se viver.