O ocupante do Palácio da Alvorada, em Brasília, afirmou que a pressão internacional por medidas para conter o aquecimento global seria um “jogo comercial”. Comentário feito durante a Convenção das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas, a COP-25, realizada em Madri (2019). E mais: “Essa história de que a Amazônia arde em fogo é uma mentira”, disse o presidente em discurso durante encontro com outros mandatários da América do Sul para discutir a preservação do meio ambiente.

Faz coro com o também ocupante da Casa Branca, em Washington, D.C que retirou os Estados Unidos do Acordo de Paris, acordo histórico das Nações Unidas contra o aquecimento global (celebrado por 195 países, em dezembro de 2015), alegando entre outras que as mudanças climáticas eram uma farsa inventada pela China para prejudicar a indústria americana…

Jogando para suas torcidas, ambos os ocupantes tem olhar fixo no futuro. Um com jogo marcado para novembro próximo e o outro para outubro de 2022. Mas para ambos a ambição política supera quaisquer outros interesses: inclusive o da preservação da saúde de seus compatriotas.

No Brasil, números alarmantes fornecidos pelo INPE registram 133.974 focos de incêndio acumulados em todo país entre 1º de janeiro e 14 de setembro, um aumento de 13% em relação ao ano passado; só na Amazônia são 64.498 focos de pontos de queimadas.

Não bastasse, um incêndio está queimando desde meados de julho no Pantanal, deixando rastro enorme de destruição em uma área maior do que a cidade de Nova York, um recorde de 23.490 quilômetros quadrados queimados até 6 de setembro.

O morticínio de espécies da flora e fauna – muitas em extinção – causado pela devastação de incendiários que atingem também a saúde da espécie humana parece não sensibilizar os (ir)responsáveis por políticas públicas responsáveis.  

São homens cegados pelo poder, obsessivos, desprovidos de sentimentos por animais, natureza e – por que não? –  por seus semelhantes, capazes de iludir a boa-fé de seus concidadãos, com falácias e hipocrisias.

A definição de homo sapiens como homem sábio, ser humano, ser pessoa, certamente não se aplica a esse tipo de gente abjeta.

COMPARTILHE

email: radeathayde@ponderando.com.br