Desde 2 0 0 8

Categoria: Cidadania (Page 1 of 4)

A Palavra é Sua #595

Vivemos em uma sociedade abrigada debaixo do guarda-chuva democrático. A cada dois anos, regido pelo sistema em vigor, a população é lembrada que deve votar- seja para eleições majoritárias ou proporcionais. Obrigado a votar, o eleitor é penalizado se não se apresentar às urnas para cumprir com seu “dever cívico”. Se existe a obrigação de votar, o sistema se autodenuncia por inexistir liberdade de opção em exercer o direito, ou não!

O Brasil permanece, como nação, uma colcha de retalhos coloridos. Desnecessário entrar em detalhes cansativos das razões, por demais conhecidas.

Desde a Proclamação da República, nos idos de 1889, mediante um golpe de Estado político-militar e tendo como primeiro mandatário o Marechal Deodoro da Fonseca, a colcha vem sendo tramada, remendada, por sucessivos herdeiros políticos.  

E apesar de sermos o quarto maior país em extensão territorial do planeta, depois de Rússia, Canadá e China, é o único considerado do terceiro mundo, eufemisticamente, “em desenvolvimento” …

Triste sermos o segundo maior exportador mundial de alimentos e não conseguirmos alimentar toda a população saudavelmente. Ser o segundo maior produtor de minério de ferro do planeta, o terceiro maior produtor mundial de manganês e aquele que concentra 98% das reservas conhecidas de nióbio no mundo (usado em cápsulas espaciais, reatores nucleares, semicondutores). E permanecermos pobres.

Paradoxalmente, Universidades brasileiras reconhecidas – muitas internacionalmente – tem produzido mentes brilhantes, homens e mulheres capacitadas academicamente, seja nas artes, na cultura, na ciência. Mas a história parece demonstrar que para acordar este gigante – deitado eternamente em berço esplêndido – é preciso mais que educação de nível superior.

A riqueza de nosso solo e biomas não parecem ser suficientes para bancar a “revolução na educação” eis que carecemos de educação de base de qualidade, alicerce da formação de escol, tema espinhoso sempre relegado a segundo plano por governos seguidamente.

Já são 131 anos desde a libertação do país do jugo colonial. Mas ainda permanecemos sob o jugo da ausência do Estado na Educação, da insalubridade que afeta metade da população, da impunidade servil aos poderosos.

Se é verdade, segundo Pero Vaz de Caminha, que no Brasil em se plantando tudo dá, então é chegada a hora de plantar a Educação de alto nível no país. Sementes de qualidade não nos faltam. Nem produtores.  

Falta-nos, então, o que? A palavra é sua!

COMPARTILHE

Que Deus nos ajude!

Ladeado por dois oficiais generais do Exército Brasileiro e acompanhado por uma penca de ministros, em reunião dita ministerial no dia 22 de abril, o presidente da República Federativa do Brasil fazendo uso de palavras de baixo calão – com frases chulas e pronúncia cristalina – demonstra não apenas aos brasileiros, mas ao mundo todo, o nível da mais alta instância do país. Um escárnio em relação a sociedade brasileira! Continue reading

O Brasil de Brasília

A imprensa, tão dedicada, com jornalistas e articulistas que escarafuncham todos os intestinos do governo e de seus membros, mas nada alardeiam em campanhas que poderiam ser educativas, se omite em esclarecer a opinião pública menos favorecida sobre a “farra” com que deputados e senadores são brindados, enquanto 13 milhões de brasileiros se encontram desempregados. Continue reading

A Casa da Mãe Joana

“O Brasil está sendo governado por um bando de maluco”!

Esta frase foi proferida pelo ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva durante “entrevista exclusiva” concedida aos jornais Folha de S. Paulo e El País (Espanha), no último dia 26, na sede da Polícia Federal em Curitiba onde está preso desde abril do ano passado. Continue reading

O STF é do barulho!

O assunto é polêmico, causando discussões infindáveis entre o comércio, de olho nos lucros, os amantes de barulho crescente (já ensurdecidos) sem fim e a sociedade sensível aos danos consequentes. Refiro-me aos rojões, morteiros e afins utilizados, principalmente, em “viradas” de fim de ano. Os fogos de artifício, belíssimos por sinal para serem apreciados, não se incluem nessa pouco civilizada prática. Continue reading

Que não se perca a oportunidade

As eleições majoritárias deste ano terminaram frente a uma aguerrida disputa política polarizada, com ideologias antagônicas se digladiando por um espaço junto a eleitores convictos e nem tanto. Afinal, um contingente de 42,1 milhões de eleitores – somando os votos nulos e brancos às abstenções – não escolheram nenhum candidato – o que bem revela o estado de ânimo do brasileiro sobre o momento no país.

Alardeia-se que vivemos em uma democracia onde todas as instituições funcionam plenamente sem qualquer obstáculo. Verdade. No entanto, a lei brasileira obriga o cidadão e a cidadã a votarem, caso contrário serão punidos. Uma arbitrariedade, a meu ver, que suprime a liberdade do indivíduo de exercer seus plenos direitos sem qualquer contestação ou admoestação. Ressalve-se, contudo, que o resultado das eleições se deu dentro da normalidade e legalidade como reza a Constituição.

E assim, sem qualquer dúvida sobre a legitimação do resultado, o país entra em uma nova fase de sua vida política, econômica e social, com esperança renovada. Apesar de um Judiciário fragmentado, um Congresso igualmente fragmentado (ainda), desacreditado e um Executivo que cumpre seus derradeiros dias manquitolando.

A situação dramática vivida pela população de inúmeros municípios brasileiros em termos de segurança, saúde, economia e educação é trágica. Alguns, em verdadeira guerra civil não declarada, já banalizaram as mortes por balas perdidas que vem ceifando a vida de centenas de inocentes. Não por outra razão, estudo feito pelas Nações Unidas revelou um dado assustador: o Brasil é o segundo país da América Latina e Caribe com maior número de casos de balas perdidas. E mais: o país ocupa o 5º lugar no ranking mundial de Feminicídio, segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos. Alarmante!

Quase 50 milhões dos habitantes vivem abaixo do limite de 5,50 dólares por dia; na educação, 27% dos brasileiros são analfabetos funcionais (sabem ler, mas não compreendem o sentido daquilo que leem) e 4% dos estudantes do ensino superior são considerados analfabetos funcionais. Inconcebível!

Por fim, a economia, sobre a qual tanto se fala, é a porta de saída para a redenção de nossos problemas nas áreas mencionadas: desde que o Congresso renovado cumpra com seu dever de zelar pelo desenvolvimento do país votando as reformas que se fazem necessárias e urgentes. E, complementando, reduzindo o tamanho do estado e cortando gastos do governo. 

A nona maior economia do planeta aguarda pela ação patriótica de um Legislativo que insira o Brasil no clube dos desenvolvidos. É a hora da verdade! É possível!

Que não se perca a oportunidade!

Quando vamos aprender ?

A Fundação Procon – SP ensinou noções básicas de direitos do consumidor para crianças. Na terça feira (21) um trailer que reproduzia um mercado ficou estacionado na Zona Sul de SP e cumpriu sua missão.

Em se tratando de Brasil e formação de jovens, qualquer pingo d´água é inundação! Orientação, formação, educação caminham juntas transformando – para o bem ou para mal – o perfil de qualquer sociedade: por sua presença ou ausência. A Fundação deu sua colaboração! Continue reading

O guizo no gato

A recente greve dos caminhoneiros veio descortinar o ambiente sombrio que há muito pairava sobre os céus de Brasília. E, naturalmente, expôs a chaga do populismo que se pretende reinstalar no país, quando tapar o sol com a peneira é mais fácil (e conveniente) que enfrentar a realidade que nos impinge a aceitar Contos da Carochinha e verdades como a do nariz de Pinóquio.

Os caminhoneiros armaram o bote para cima de um governo prestes a receber a extrema-unção que abriu as burras do Tesouro Nacional com se dele fosse proprietário. Continue reading

O modelo se exauriu

“Este é um blog que acredita na magia da palavra escrita como elo de aproximação entre pessoas que comungam de um mesmo pensamento e fonte de oportunidades para reflexão de outras tantas que assim não pensam”.

Após alguns anos como colunista do JC Holambra e ter colocado o Ponderando na internet –- cunhei a frase acima para definir o espírito que me levou a escrever artigos e crônicas analisando e refletindo nosso viver ao longo dos tempos.

Não tive, nem tenho, como avaliar o resultado de meu propósito. Apenas a consciência de que não poderia me furtar à responsabilidade de contribuir para que possamos, todos, viver em harmonia e coexistir pacificamente apesar das divergências.  

Vivemos em um mundo globalmente conturbado por razões políticas, econômicas, éticas e sociais. Fronteiras e barreiras que salvaguardavam e respeitavam culturas e costumes vêm sendo demolidas. A desconfiança paira em todos os estratos das sociedades, seja por conflitos étnicos ou insegurança pessoal e familiar, diante da violência incontida por aqui e mundo afora.

A sobrevivência do planeta depende do bom senso de governos que dominam a tecnologia da energia nuclear bélica. Um resvalo em momento crítico e mergulharemos em hecatombe jamais vista.

O ser humano parece desconhecer a razão de sua existência. Inconsciente, persegue o poder e a riqueza como se sua saúde mental e física, bem como sua permanência por aqui fosse sem data para terminar e, ainda, lhe assegurasse qualidade de vida nesta que é efêmera por natureza.

Em detrimento da Saúde, Educação e Segurança, governos priorizam seus laços com a Economia –  maestrina das soluções para o bem-estar de seus povos. Parece não ser assim. A África, com países ricos em recursos minerais, padece com populações paupérrimas e governos autoritários ricos com contas na Suíça. Os Estados Unidos – maior potência mundial – escondem que apenas vinte por cento da população desfrutam de curso superior e tem bons empregos enquanto oitenta por cento vivem o setor de baixa renda. No Brasil as seis pessoas mais ricas concentram, juntas, a mesma riqueza que os 100 milhões mais pobres do país, ou seja, a metade da população brasileira.

A ONU prevê que dentro de 30 anos os terráqueos serão algo como 9 bilhões. O espaço físico a ser ocupado permanecerá o mesmo e os valores a serem respeitados para uma convivência pacífica, possivelmente distintos dos de hoje.

A miscigenação racial no mundo é crescente. Uma realidade sem volta com a Europa dando as cartas e o Oriente Médio se fazendo cada vez mais presente no Ocidente.

O modelo atual se exauriu. Vale refletir.

« Older posts

© 2020 PONDERANDO

Theme by Anders NorenUp ↑